Sobre mulheres e política

por Fabiane K. Bogdanovicz

Este texto foi psicografado no ritmo frenético dos pensamentos, deslizando na cadeia dos significados, navegando o rio das associações livres num barco pirata a fim de encontrar o mar caótico do (in)consciente coletivo…

Sobre mulheres e a / na política

11781863_10153536417807028_5003110839305394901_nAno de eleição. 30% das vagas partidárias destinadas às mulheres, pois “somos mais de 50% da população” e apenas … de cargos na política. E aí, na propaganda eleitoral, essa mulher enche a boca para falar que é “mãe de família”, argumento usado para demonstrar como é preocupada com a segurança, com as contas do final do mês, com a educação, saúde, e todo tipo de tema genérico cujo domínio o termo “mãe” socialmente lhe garante. Essas mulheres na política vêm para reproduzir um papel social muito específico, um estereótipo de mulher, que é culturalmente aceito – e, assim, não-ameaçador. Como seria a aceitação de uma mulher que fosse ao ar dizendo que é solteira, que não tem filhos nem tem vontade alguma de tê-los? (Se fosse nova, diriam que ela mudaria de idéia com a “maturidade”. Se fosse mais velha, chamar-na-iam de “mal comida”, que ficou “para tia”, e daí para baixo.) Será que para ter espaço na política (nas questões da polis, da cidade), no espaço público (fora do espaço privado, que é o espaço historicamente reservado à mulher), a mulher precisa deixar claro que ela sabe que seu papel principal é o de mãe (obviamente legitimando uma idéia de família nuclear, heterossexual, monogâmica, patriarcal), que é dentro do lar?

A mulher não pode ser vista como um ser independente, autônomo. Um ser com idéias próprias, com desejos próprios, que não passam por uma família, por um parceiro – um macho –, pelos filhos que são socialmente exigidos que ela tenha. Ela não pode, pois assim ela é ameaçadora. Ela é historicamente associada às forças da natureza, às fases da lua, às bruxas, à TPM, à fofoca, ao descontrole emocional, à desrazão, à Eva mordendo a maçã – a ruína do Homem e a queda do Paraíso. E, para ser aceita, ela precisa ser Maria, mãe devotada, cuidadora da família, a grande mulher atrás de um grande homem (não ao lado, nem à frente e menos ainda sozinha). A mulher entra na política partidária para ocupar uma cota obrigatória, para legitimar um discurso sub-reptício de que seu lugar primário é em casa, para reproduzir a concepção de um ser mulher como algo invariavelmente atrelado à maternidade; não para reivindicar mudança, autonomia, liberdade, voz, espaço de fala e de protagonismo, mas para desempenhar o mesmo papel que vem sendo historicamente a ela delegado.
E nos “nossos” espaços, que propomos como diferentes, alternativos a esse modelo político padrão, tradicional, que consideramos precisar ser ultrapassado? Como garantimos que as mulheres não estejam aqui apenas “cumprindo tabela”, decorando o cenário de uma peça teatral muito bonita onde homens falam da importância das mulheres na política, de feminismo, sem garantir o espaço de fala e de protagonismo das companheiras? Como nos comportamos quando uma mulher, a quem é historicamente negado o espaço de fala, expressa sua opinião? Com quanto de paciência e respeito conseguimos lidar com o que consideramos como erro ou despreparo de uma companheira que está dando seus primeiros passos em uma experiência de participação política? Vamos dizer que o partido não é local para que essa mulher comece a falar, se expressar, protagonizar?
Não basta colocar fisicamente uma mulher em um lugar para garantir a participação de quem foi ensinada desde a infância que o certo era se comportar, ficar quietinha, sentar com as pernas bem fechadas, prestar atenção no que os outros estão dizendo sem responder, obedecer, não se mexer muito para não despentear o cabelo, ser prestativa, ficar na cozinha enquanto os homens estão conversando, e que se tiver opiniões demais, não irá ser desejada por ninguém.
É claro, este texto nem sequer tangencia o como é crescer em um corpo que é lido como feminino e por isso passar toda (ou quase toda) a vida introjetando moldes e valores culturais injustos, de insegurança e silenciamento. Mas propõe que reflitamos sobre: como fazer do Partido Pirata um espaço aberto e seguro para o protagonismo feminino, com respeito às companheiras, das mais experientes às mais novatas, para que nosso barco seja plural, diverso, respeitoso, honesto, combativo e colaborativo?

Já que você está aqui…

… nós estamos pedindo por um pequeno favor. Diferente de outras organizações, não recebemos dinheiro de governos e nem de empresas. Também não cobramos por acessos às nossas ferramentas. O Partido Pirata é uma organização independente que luta por direitos digitais, o livre compartilhamento de informações, privacidade para as pessoas e transparência de governos e corporações. Somos pessoas voluntárias tentando construir dia após dia o partido e precisamos de dinheiro para colocar algumas ideias em prática e cobrir diversos gastos. Isso requer muito trabalho e fazemos pois acreditamos que a nossa perspectiva importa porque –  também pode ser sua perspectiva.


Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

More information