[Pirataria Feminista]: Cidinha Campos não lutará por Christiane

NOTA DE REPÚDIO À DECLARAÇÃO DE CIDINHA CAMPOS NA OFICIALIZAÇÃO DE SUA CANDIDATURA
por Pirataria Feminista

Enquanto a aspirante a Vice-Prefeito do Rio de Janeiro, Cidinha Campos (PDT), relativiza a gravidade de casos de violência doméstica e defende seu candidato, Pedro Paulo (PMDB), todos os tipos de violência contra a mulher, incluindo o feminicídio, seguem resolutos.

Cidinha afirma, em reportagem para O Globo [1], que a violência doméstica é uma discussão de menor importância para o movimento feminista e que este deve:

[…] cuidar para que mulheres tenham o mesmo salário que os homens. Esse é um caso resolvido (a acusação de agressão por parte de Pedro Paulo). Eu sou contra a violência doméstica, mas quando é com pessoas desvalidas, que não têm como se socorrer, que não têm como se amparar. Ela (Alexandra) está bem, está feliz, ela está muito mais rica do que quando estava com ele. O marido dela parece que é muito mais rico do que o Pedro Paulo — afirmou a deputada, em entrevista após a convenção (O GLOBO, 2016, grifo nosso).

Cidinha defende Pedro Paulo, ainda, quando aponta para as divergências entre o laudo do Instituto Médico-Legal (IML), feito na época da suposta agressão em 2010, e o laudo feito por perito contratado pela defesa de Pedro Paulo. Este último afirma que o candidato estava apenas se defendendo da ex-mulher, mas quem terminou com o dente quebrado foi ela.

Quando a expressão de uma figura pública diminui a importância de uma realidade que assola o país, ela contribui diretamente para a continuidade dessa realidade e, pior, para seu agravamento, pois está compactuando com tal realidade na medida que não luta contra ela, que não propõe políticas e deixa o assunto de lado.

É de conhecimento público e são, cada vez mais, divulgados os números da violência contra a mulher no Brasil. Todos os profissionais que trabalham nessa área, atendendo e acolhendo as mulheres violentadas, afirmam que a maior parte dos casos ocorrem dentro de casa e, principalmente, que o agressor é geralmente uma pessoa próxima na qual a vítima confia ou tem uma relação pessoal.

Para corroborar as afirmações acima, buscamos 2 casos que ocorreram em um intervalo de apenas 6 dias nesse mês de julho de 2016 e um motivo em comum: duas mulheres assassinadas pelo o ex-namorado que não aceitou o fim do relacionamento.

O assassinato de Christiane de Souza, de 46 anos, aconteceu na frente da filha de sete anos perto do metrô da Estácio. Inicialmente tratado como assalto, o caso foi noticiado pela emissora Rede Globo no Jornal Nacional [2], que afirmou: “Ela foi assaltada. E como não tinha dinheiro pra entregar, o ladrão decidiu esfaqueá-la duas vezes no pescoço. E fugiu.”.

Porém, dias depois, segundo notícia vinculada pelo Band.com [3], a Divisão de Homicídios informou que o ex-namorado da vítima, Rojelson Santos, confessou: havia tentado reatar o namoro e diante do fracasso cometeu o crime. Rojelson responderá por crime qualificado devido às evidências de que foi premeditado, pois o relacionamento durou 3 anos e ele conhecia os hábitos da vítima, esperando o melhor momento para abordá-la.

O segundo caso, igualmente funesto, é o da jovem de 18 anos asfixiada com um fio de telefone. Segundo a reportagem do jornal O Dia [4], o ex-namorado, preso em flagrante, tentou suicídio após o assassinato, pois não aceitava o fim do relacionamento.

A VIOLÊNCIA É QUESTÃO DE PREÇO?

Cidinha minimiza o drama enfrentado por Alexandra, ex-mulher de Pedro Paulo, argumentando que ela está “muito mais rica” e que o marido atual “parece ser muito mais rico”, como se a violência fosse uma questão de etiqueta de preço: uma mulher pode ser “comprada” por outro homem mais rico e “se dar bem”. É quase como se seu ex-marido abusivo tivesse lhe feito um favor em vez de cometido um crime. Assim, não é de se estranhar que em sua fala ela diga que ações afirmativas sejam apenas para mulheres “desvalidas” – que não tenham encontrado outro partido que possa comprá-las por valor mais alto.

Casos como o de Luiza Brunet são exemplo de que não há tais barreiras de classe social no que tange à extensão da violência doméstica. Luiza teve uma sólida carreira como modelo e não dependia financeiramente dos homens com que se relacionou. Isso não impediu que seu agora ex-companheiro lhe agredisse em mais de uma ocasião, fato que veio a público recentemente e motivou denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo [5].

Diante desses e tantos outros casos de violência contra mulher que ocorrem diariamente, nós, feministas, não entendemos como é possível uma mulher pública, que deveria representar os interesses da sociedade (visto que mais de 50% desta é composta por mulheres), formadora de opiniões e que tem influência direta nas políticas públicas, pode ter uma fala tão descompromissada e irresponsável para com nossas vidas.

Vale a pena lembrar que o feminismo é um movimento libertário: ele não prega ódio e muito menos a dominação das mulheres sobre os homens. Feminismo não é o contrário de machismo, pois este último é um modelo de dominação e doutrinação e nós lutamos por direitos iguais e pela reavaliação de antigos dogmas e ideias profundamente entranhados na sociedade sobre o que é ser mulher. Nós clamamos por igualdade, pelo fim da dominação e da violência imposta por um gênero (masculino) sobre os outros e pelo fim desse modelo determinístico e dualista de gênero.

REFERÊNCIAS

[1] http://oglobo.globo.com/brasil/vice-de-pedro-paulo-cidinha-campos-minimiza-acusacoes-de-agressao-ex-mulher-19781693

[2] http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/07/mulher-morre-facadas-em-assalto-na-zona-norte-do-rio.html

[3] http://noticias.band.uol.com.br/cidades/rio/noticia/100000814961/acusado-de-matar-mulher-a-facadas-no-estacio-e-ex-namorado-da-vitima.html

[4] http://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2016-07-21/ex-namorado-e-suspeito-de-matar-jovem-asfixiada-com-fio-de-telefone-em-ramos.html

[5] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/07/1795369-promotoria-denuncia-ex-de-brunet-por-violencia-domestica-contra-atriz.shtml

Já que você está aqui…

… nós estamos pedindo por um pequeno favor. Diferente de outras organizações, não recebemos dinheiro de governos e nem de empresas. Também não cobramos por acessos às nossas ferramentas. O Partido Pirata é uma organização independente que luta por direitos digitais, o livre compartilhamento de informações, privacidade para as pessoas e transparência de governos e corporações. Somos pessoas voluntárias tentando construir dia após dia o partido e precisamos de dinheiro para colocar algumas ideias em prática e cobrir diversos gastos. Isso requer muito trabalho e fazemos pois acreditamos que a nossa perspectiva importa porque –  também pode ser sua perspectiva.


Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

More information

Arquivo de posts