A Psicologia da Cryptomnesia: Como nós plagiarizamos inconscientemente idéias existentes

“Qualquer experiência que o escritor já sofreu”, afirmou William Faulkner em uma audiência de uma Universidade em 1958, “irá influenciar o que ele faz, e isso não é apenas o que ele leu, mas a música que ele ouviu, as fotos que ele viu”. Essa noção – que ‘nossas’ idéias são o produto combinatório de todos os tipos de idéias existentes que nós observamos no curso de uma vida em que estamos vivos e despertos no mundo – é algo que muitos criadores articularam, talvez nenhum deles de forma mais sucinta que Paula Scher. Essa fusão de pedaços existentes em novas combinações é em grande parte um processo inconsciente e por todo o seu funcionamento miraculoso, um sério fator negativo que frequentemente oblitera os traços de fontes originais que nós inconscientemente desenvolvemos em “novas” idéias. Helen Keller experienciou as repercussões desse fenômeno quando ela foi acusada de plagiarismo. Henry Miller questionou isso quando ele escreveu “E o seu caminho, ele é realmente o seu caminho?” e Coleridge frequentemente pulou sobre a “fina linha entre o inconsciente, a inspiração e o plágio deliberado
Em 1989, década antes do lendário neurologista Oliver Sacks ter explorado porque a mente é suscetível a isso, os psicólogos Alan Brown e Dana Murphy criaram um termo para esse fenômeno: cryptomnesia.
No esclarecedor volume de 1984 “A Psicologia da Escrita” – que também nos dá as condições das rotinas diárias perfeitas e um ambiente criativo ideal – o psicólogo cognitivo Ronald T. Kellogg define cryptomnesia como “a crença que um pensamento é um Romance quando na verdade se trata de uma memória” e ele examina como isso ocorre.

Ilustração de John Vernon Lord do “Pensamento através do Espelho e o que Alice encontrou lá”

Percebendo que escritores frequentemente escrevem sobre fontes existentes de uma maneira consciente – incluindo citações, expansões ou resumos, apresentações ou pontos de vista alternativos que diferem daqueles do escritor e imitando o estilo de outros” – Kellog se volta para os mecanismos inconscientes que dirigem a cryptomnesia:
Muito do que o escritor sabe, particularmente discurso e conhecimento sociocultural, existe somente em forma tácita. Por exemplo, padrões de sentença assim como crenças culturais são compartilhadas por membros da mesma comunidade de discurso e são atraídas livremente por todos sem percepção consciente. O mesmo tipo de cópia inconsciente talvez também ocorra com frases específicas, fatos e argumento – formas de conhecimento de domínio específico. Quando isso ocorre, no entanto, o autor está sujeito a acusações plágio…  [Cryptomnesia] pode levar a um plagiarismo inadvertido se um escritor falha em reconhecer involuntariamente uma fonte anterior devido à falha de reconhecer seus próprios pensamentos e palavras como não originais. 
Em outras casos, Kellogg afirma, “o escritor empresta sem perceber de seus próprios trabalhos publicados” – o tipo de plágio inadvertido que os escritores extremamente prolíficos de hoje são especialmente suscetíveis enquanto eles misturam em uma batedeira enormes volumes de trabalho com grande regularidade sob o industrialismo tirânico de publicações modernas, online e outras. 
Certamente a noção de cryptomnesia, em todas as suas permutações, parece mais desconfortável duas décadas depois: a expansão da Internet, particularmente das redes sociais, resultaram em conectividade ainda maior e em aceleração do fluxo de idéias entre originador e recipiente, seguido pela sempre crescente absorção dessas idéias em um campo comum – ou o que Vannevar Bush tão poeticamente chamou “o arquivo comum” em 1945 – no qual todos nós estamos cada vez mais imersos. Sob essas condições, cryptomnesia invariavelmente se tornou nossa patologia criativa coletiva.

Ilustração de ‘Neurocomic’, um romance gráfico sobre como cérebro funciona

Kellogg ilustra os mecanismos cognitivos desse fenômeno profundamente humano com evidência empírica:
Em um trabalho de laboratório seminal de cryptomnesia, Brown e Murphy (1989) fizeram com que grupos de quatro estudantes alternassem turnos gerando exemplos de categorias (criar). Então cada estudante no grupo tentou relembrar exemplos que ele ou ela gerou (relembrar velhos), sob instruções de não nomear itens gerados por outros. Finalmente, eles geraram exemplos adicionais (relembrar novos) com instruções de duplicar as suas respostas anteriores ou a de outros. No teste de relembrar velhos, 75% dos participantes produziram ao menos um item plagiado e no teste de relembrar novos, 70% fizeram o mesmo. Itens auto-plagiarizados… eram raros em uma tarefa de laboratório; quase todos os itens foram tirados de outros estudantes.
O padrão de resultados nos três experimentos reportados por Brown e Murphy indicaram que o plagio ocorreu mais frequentemente em tarefas escritas que em tarefas orais. Ao ter ouvido material, alguém é mais provável de plagiar isso quando escreve do que quando fala. Se o padrão reverso ocorre depois de ter o material lido é algo que ainda precisa ser visto. Mas baseado em resultados apenas, escritores talvez sejam mais suscetíveis a emprestar ideias sem perceber que ele ganharam por meio de palestras, discussões e outras formas de informação auricular… idéias que são expressas frequentemente – que estão “no ar” – são especialmente abertas para o empréstimo.
À medida que a Internet se torna cada vez mais “o ar”, não se pode deixar de se ponderar – e se preocupar – sobre como a ameaça crescente da cryptomnesia epidêmica irá impactar a saúde da cultura criativa.  
Mas novamente, talvez esse seja um destino da criatividade e sempre foi uma parte de sua natureza essencial – como Pete Seeger colocou muito antes das redes sociais existirem e um ano antes do estudo de Brown e Murphy, “Todos nós, nós somos links em uma corrente. E se nos fizermos nosso trabalho direito, haverá muitos e muitos links a caminho
A Psicologia de Escrever é, tristemente, há muito tempo sem reimpressões mas vale o esforço e também está disponível no Kindle. Complemente isso com o relacionamento entre memória e criatividade.
artigo original em inglês aqui

Já que você está aqui…

… nós estamos pedindo por um pequeno favor. Diferente de outras organizações, não recebemos dinheiro de governos e nem de empresas. Também não cobramos por acessos às nossas ferramentas. O Partido Pirata é uma organização independente que luta por direitos digitais, o livre compartilhamento de informações, privacidade para as pessoas e transparência de governos e corporações. Somos pessoas voluntárias tentando construir dia após dia o partido e precisamos de dinheiro para colocar algumas ideias em prática e cobrir diversos gastos. Isso requer muito trabalho e fazemos pois acreditamos que a nossa perspectiva importa porque –  também pode ser sua perspectiva.


Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

More information

Chat Internacional @GlobalPirates

Publicações