Policiais usando música para evitar filmagens é apenas a ponta do iceberg

Tradução do texto de Katharine Trendacosta publicado em: https://www.eff.org/pt-br/deeplinks/2021/02/cops-using-music-try-stop-being-filmed-just-tip-iceberg

Alguém tenta transmitir seus confrontos com a polícia ao vivo, até descobrir que a polícia começou a tocar música. No caso do encontro de 5 de fevereiro entre um ativista e o Departamento de Polícia de Beverly Hills, a canção escolhida foi “Santeria” do Sublime. A polícia pode não ter uma bola de cristal, mas parece ter um conhecimento incomum sobre filtros de direitos autorais.

O momento em que a música começou a tocar quando um policial viu que ele estava sendo filmado não passou despercebido pelas pessoas. Parece provável que o objetivo era ativar o filtro de direitos autorais do Instagram, que derrubaria a transmissão com base na música de fundo e não no conteúdo real. Não é uma tática desconhecida e, infelizmente, é baseada na realidade de como funcionam os filtros de direitos autorais.

Os filtros de direitos autorais geralmente são mais sensíveis ao conteúdo de áudio do que ao conteúdo audiovisual. Essa sensibilidade causa problemas reais para pessoas que tocam, discutem ou avaliam música online. É um problema da mecânica. É mais fácil para os filtros encontrarem a correspondência de apenas a uma parte do material de áudio em comparação com um clipe audiovisual inteiro. Além disso, existe a possibilidade de um filtro se limitar a verificar se alguns segundos de um arquivo de vídeo parecem conter alguns segundos de um arquivo de áudio.

É parte do motivo pelo qual tocar música é a melhor maneira de se derrubar uma transmissão de vídeo que você não quer que seja vista. (O outro lado é que tocar música é mais fácil do que andar por aí com uma tela exibindo um filme da Disney em sua totalidade. Por mais divertido que seja).

O outro lado da moeda é o quão difícil os filtros tornam para os músicos tocarem músicas que não pertencem a ninguém. Por exemplo, músicos clássicos que se gravam tocando música em domínio público – composições que eles têm todo o direito de tocar, uma vez que estas não possuem direitos autorais – atraem muitas detecções. Isso ocorre porque os principais detentores dos direitos ou empresas de tecnologia inseriram no sistema muitos exemplos de interpretações dessas músicas com direitos autorais. Não parece importar que o vídeo mostre um artista diferente tocando a música – a identificação é feita apenas para o áudio. Isso incentiva a derrubada de material que tinha o uso legal.

Outro problema é que as pessoas podem ter uma licença para usar uma música ou estão usando uma música livre que outra obra também usou. E se esse outro trabalho estiver no banco de dados do filtro, ele fará uma correspondência entre os dois. Isso faz com que alguém que detém todos os direitos sobre uma música seja bloqueado ou perca a renda. É um problema tão grande que, ao escrever nosso relatório sobre o filtro de copyright do YouTube Content ID, eles disseram que as pessoas que passaram por esse problema pediram para serem incluídas especificamente.

Os filtros são tão sensíveis à música que é muito difícil ganhar a vida comentando música online. A dificuldade de ter clipes de música passando pelo Content ID explica a escassez de comentaristas musicais no YouTube . Entre os criadores do YouTube é algo conhecido: “Por isso não se faz conteúdo sobre música”.

A crítica musical, o comentário e a educação são áreas legalmente protegidas pelo uso justo. Usar partes de algo que está sendo falado para mostrar o que você quer dizer faz parte da comunicação eficaz. E embora a lei não torne o uso justo da música mais difícil de provar do que qualquer outro tipo de trabalho, os filtros fazem.

No entanto, o filtro do YouTube faz algo ainda mais maldoso do que simplesmente remover vídeos. Quando detecta uma correspondência, permite que a gravadora que reivindica os direitos fique com parte ou todo o dinheiro que o criador original teria ganho. Assim, um vídeo que critica uma peça musical acaba enriquecendo a parte criticada. Como explicou um crítico musical:

“Cada um dos meus vídeos será marcado por algo e decido não fazer nada a respeito, porque a única coisa que eles tiram é o dinheiro da publicidade. E eu concordo com isso, prefiro fazer meus vídeos como são e desperdiçar dinheiro dos anúncios em vez de tentar editar em torno do Content ID, porque não tenho ideia de como editar em torno do Content ID. Mesmo se soubesse, eles iriam mudar amanhã. Então decidi não me preocupar com isso.”

É como um vídeo de dez horas sobre ruído branco que terminou com cinco reivindicações de direitos autorais. Essa maneira de tirar dos pobres e dar aos ricos é um resultado flagrantemente absurdo, mas é o status quo em muito do YouTube.

Um grupo como a polícia, especialmente conhecedor de tecnologia, pode facilmente descobrir quais músicas fazem com que os vídeos sejam removidos, em vez das que tem o dinheiro tomado. Os criadores da Internet falam nas redes sociais sobre os problemas que enfrentam e de quem. Alguns detentores de direitos são infames controladores e litigiosos.

Os direitos autorais não devem ser um caminho rápido para a remoção de discursos de que você não gosta. A lei destina-se a incentivar a criatividade, dando aos artistas um período limitado de direitos exclusivos sobre suas criações. Não é uma forma de ganhar dinheiro à custa de críticas ou de uma brecha para ser explorada por autoridades.


Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

More information

Arquivo de posts