PEC 215 E DIREITOS INDÍGENAS

Hoje, esteve em discussão a Proposta de Emenda Constitucional 215/00, de autoria de Almir Sá (PPB/RR), visando alterar a Constituição Federal para que a palavra final sobre a demarcação de terras indígenas, que compete ao Executivo por meio da Funai (http://pirat.ly/gt1wp), seja transferida ao Legislativo, por meio dos nossos representantes eleitos.

A justificativa para a matéria é a de que, da forma como é tratada hoje, há uma delegação abusiva de poder ao Executivo, que poderia a seu bel prazer demarcar as terras de acordo com sua conveniência e assim causar prejuízo à sociedade. Na maioria das matérias, os poderes atuam em conjunto (p. ex.: a câmara pode votar um projeto de lei que o chefe do executivo pode vetar se considerar abusivo, e a câmara pode finalmente derrubar o veto. O Judiciário, quando provocado, avalia a conduta dos integrantes de ambos e a legalidade de seus atos). Assim, propõe-se que, para garantir o melhor para a sociedade e evitar distorções, o povo seja ouvido na demarcação das terras através de deputados e senadores.

Há uma longa disputa por terras em praticamente todo o território brasileiro e, em função da extensão das terras demarcadas, alega-se que foi criada uma imensa distorção no uso e posse do território nacional (http://pirat.ly/136w6).

E QUAL O PROBLEMA?

Tentando deixar de lado que tanto o Executivo como o Legislativo não têm um histórico muito favorável na defesa dos interesses coletivos, ficam alguns pontos que levantam dúvidas no real interesse em confrontar a Funai, que possui equipe técnica com capacitação para a realização de estudos e pareceres antropológicos e ambientais, em favor da ‘voz da sociedade’. Na prática, há o risco de se beneficiar enormemente grandes latifundiários (http://pirat.ly/4rj5y), grileiros, extratores de madeira e minérios, corporações e obras de grande porte, como estradas e hidrelétricas, em detrimento não só da população indígena (já bastante desamparada pela insuficiente ação da Funai e outros órgãos de proteção), como o próprio ambiente, cujo equilíbrio delicado ainda não compreendemos por completo e já afetamos com impactos imprevisíveis e além do esperado.

– Juristas (http://pirat.ly/a9hjk) e o Ministério Público Federal (http://pirat.ly/8cyh3, http://pirat.ly/894×1) apontam para os riscos e a necessidade de se levar mais a fundo os debates relacionados à proteção das terras indígenas;
– O atual relator da matéria, Osmar Serraglio, da bancada ruralista, é acusado de (adivinhem?) invasão de terras indígenas (http://pirat.ly/5wpr2). O próprio faz sua defesa e da proposta, não à toa, direcionando sua fala aos produtores rurais (http://pirat.ly/7fr6e), velhos conhecidos da política, beneficiários de um sem número de matérias altamente duvidosas do ponto de vista econômico, social e de preservação (vamos lembrar também do código florestal);
– Também ficam na berlinda obras de grande porte, como Xingu e Belo Monte, vitrines interessante ao governo em muitas esferas e bastante interessantes a grandes empreiteiras, velhos conhecidos como financiadores de campanhas. Aqui, uma coluna bastante esclarecedora do trabalho das Promotorias de Justiça e o que foi encontrado nos canteiros de obras de Belo Monte: http://pirat.ly/872eg

O Congresso tem usado de manobras e ações para coibir manifestações contrárias à PEC 215, inclusive violência e abuso policial, prisões arbitrárias, impedimento de acesso às dependências da Câmara e outras (http://pirat.ly/txip4). Os indígenas são majoritariamente ignorados em suas demandas e seus anseios, são usurpados de suas terras, seus direitos e sua voz, especialmente sem o apoio expresso da população que poderia pressionar para que nossos irmãos fossem ouvidos e respeitados. Enquanto usufruímos confortavelmente de recursos, cultura e energia, fechamos convenientemente os olhos para o sofrimento e a degradação de povos e seus espaços, permitindo que latifundiários, políticos de carreira e grandes empresários se aproveitem desses espaços e de suas riquezas.

O QUE DIZ O TEXTO: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUiÇÃO
N.ll 215, DE 2000
(Do Sr. Almir Sá e outros)
Acrescenta o inciso XVIII ao art. 49; modifica o § 42 e acrescenta o § 82 ambos no Art. 231, da Constituição Federal.
(Apense-se à Proposta de Emenda à Constituição nº 153, de 1995)
As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte emenda ao texto constitucional:
Art. 1º Acrescente-se ao art. 49 um inciso após o inciso XV, renumerando-se os demais:
Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:
(…)
XVIII – aprovar a demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e ratificar as demarcações já homologadas;
Art. 2º O § 4º do art. 231 passa a vigorar com a seguinte redação:
Art. 231 (…)
§ 4º As terras de que trata este”artigo, após a respectiva demarcação aprovada ou ratificada pelo Congresso Nacional, são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis.
§ 8º Os critérios e procedimentos de demarcação das Áreas Indígenas deverão ser regulamentados por lei.” (http://pirat.ly/53dg8)


Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

More information

Arquivo de posts