Falkvinge: Um ano depois, detentores do poder ainda ignoram Snowden

 

Um ano se passou desde que Edward Snowden começou a nos contar o que realmente se passava no mundo. Desde aquela data, vários detentores do poder têm lutado – sem sucesso – para retomar o controle sobre a narrativa, o controle sobre a circulação das notícias. Mas na era da rede, o poder da narrativa fica diretamente com as massas, ao invés de com a elite.

Por Rick Falkvinge*, no portal da emissora Russia Today

 

Reuters/Tobias Schwarz

Na Suécia, manifestantes usam máscaras de Edward Snowden para defender políticas de informação, liberdade e privacidade na rede. Na Suécia, manifestantes usam máscaras de Edward Snowden para defender políticas de informação, liberdade e privacidade na rede.

As pessoas tomaram consciência sobre a vigilância massiva, mesmo que ainda não tenham se conscientizado das suas consequências totais. Mas a história está lá fora. O gato proverbial não só está fora do saco, mas deixou a cidade inteira e está indo para o outro lado do continente. Isso não impediu um establishment em torre de marfim de representar os jogos dos macacos “não vejo, não ouço, não falo”, fingindo que Snowden não existe e que as pessoas não sabem, já, o que sabemos.

Carl Bildt, o ministro sueco das Relações Exteriores, tem sido um dos mais firmes propositores da vigilância massiva no estilo da NSA [Agência Nacional de Segurança dos EUA], tentando “controlar” a rede – ignorando completamente o fato de isso necessariamente significar o controle (em efeito, a eliminação) da liberdade de expressão. Ele até declarou oficialmente que a vigilância massiva não viola os direitos humanos porque é encoberta: como se os serviços de segurança não violassem [os direitos das] pessoas quando o fazem sem deixar pistas.

A conferência álibi favorita de Bildt tem sido o Fórum de Estocolmo sobre a Internet, que supostamente é sobre a liberdade e o desenvolvimento da rede em geral. Ele tem convidado ativistas pela liberdade de todo o mundo para mostrar a si próprio na presença deles, tentando polir a sua imagem como um defensor da liberdade e da liberação.

Entretanto, suas ações dizem o oposto: Ele tem negociado acordos de espionagem com os Estados Unidos ao mesmo tempo. Neste ano, os organizadores do Fórum de Estocolmo sobre a Internet sugeriram – natural e obviamente – Glenn Greenwald, Edward Snowden e ativistas similares como Jacob Appelbaum como oradores. Entretanto, isso não caiu bem para Bildt. Seu Departamento de Relações Exteriores excluiu-os sem cerimônias das falas no Fórum de Estocolmo sobre a Internet, como relatado pela [revista eletrônica alemã] Cicero.

A geração da rede que Bildt e seus aliados dos EUA buscam tão desesperadamente aplacar, ou até representar, não ficou impressionada. Furiosa, seria uma descrição melhor. A velha guarda, em suas torres de marfim, ainda parece pensar que nada mudou e que está livre para semear ou envenenar as notícias ao seu sabor. Enquanto isso, o mundo descobriu que podem se virar bem sem os detentores do poder na torre de marfim.

Em um final revelador para a história, quase todos os painéis e apresentações no Fórum de Estocolmo sobre a Internet comentou sobre a estranha ausência de Greenwald e Snowden. Como tal, seus feitos cívicos e serviços à liberdade ficaram mais presentes que nunca. Apesar dos desejos do Ministério de Relações Exteriores sueco, andando com a coleira da Casa Branca.

No final, a verdade não será domada e os detentores do poder são responsabilizados pelas violações dos direitos humanos. É tempo de aprender isso, para Bildt e seus semelhantes. Um ano desde as primeiras divulgações de Snowden. Uma vida inteira para determinar se vamos para [George] Orwell ou para a liberdade, daqui.

*Rick Falkvinge é o fundador do primeiro Pirate Party (Partido Pirata, que promove a democracia direta) e defende uma política de informações sensata.

Fonte: Russia Today
Tradução de Moara Crivelente, da Redação do Vermelho

link origem http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=9&id_noticia=243569&utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter&utm_campaign=adrianomoutinho

Já que você está aqui…

… nós estamos pedindo por um pequeno favor. Diferente de outras organizações, não recebemos dinheiro de governos e nem de empresas. Também não cobramos por acessos às nossas ferramentas. O Partido Pirata é uma organização independente que luta por direitos digitais, o livre compartilhamento de informações, privacidade para as pessoas e transparência de governos e corporações. Somos pessoas voluntárias tentando construir dia após dia o partido e precisamos de dinheiro para colocar algumas ideias em prática e cobrir diversos gastos. Isso requer muito trabalho e fazemos pois acreditamos que a nossa perspectiva importa porque –  também pode ser sua perspectiva.


Kommentare

One comment for Falkvinge: Um ano depois, detentores do poder ainda ignoram Snowden

  1. Pingback: Privacidade continua ameaçada após um ano das revelações de Edward Snowden - Museu do Bit

Deixe uma resposta

Notice: Comments reflect the opionions of those who did wrote theme. Allowing people comment here, doenst mean, that we also agree with them.

Your email address won't be displayed. Required fields are marked with this sign: *

More information