Archive by month: novembro 2013

Resumo dos Projetos que tentam regular e limitar as manifestações políticas no Brasil

Os projetos foram apresentados ao Senado e Câmara. São onze (11), divididos entre os seguintes partidos: PMDB (4), PSD (3), PSC (1), PSDB (1), PP (1), DEM (1). Além dos projetos que agravam os crimes de dano ao patrimônio (4) e lesão corporal (1), destacamos os seis (6) projetos que objetivam proibir o uso de máscaras, pinturas ou qualquer outro recurso que possibilite a proteção dos cidadãos. Destaque para os projetos PLC 6532/2013, da Deputada Eliene Lima (PSD-MT), o qual “veta participante...
Continue reading

 

OMC aceita o Partido Pirata Internacional como Observador da Conferência Ministerial

O Secretariado da OMC (Organização Mundial do Comércio) concedeu ao Partido Pirata Internacional (PPI) o direito de observar a nona conferência ministerial da OMC em Bali, Indonésia. O status de observador permite ao PPI enviar uma delegação de no máximo quatro pessoas para advogar ativamente pelos objetivos do movimento dos partidos pirata. O PPI advogará primariamente por duas causas consideradas mais urgentes: um tratado internacional contra a vigilância e a inclusão de cláusulas para lic...
Continue reading

 

Partido Pirata consegue o status de Observador na Organização Mundial do Comércio (OMC)

O Partido Pirata Internacional (PPI) , a organização internacional para as dezenas de Partidos Pirata pelo mundo, obteve o status de observador da Organização Mundial do Comércio. O PPI se unirá ao conjunto dos grandes atores internacionais durante a conferência em Bali no próximo mês. A decisão da OMC é um grande avanço para a organização política, que espera influenciar a tomada de decisões em assuntos centrais relacionados a copyright e privacidade na Internet.
Continue reading

 

Conheça a TPP, a grande ameaça contra a internet

Reuniões secretas e documentos vazados colocam o novo acordo como herdeiro direto de projetos nada democráticos, como SOPA, ACTA e CISPA. Todos aqueles que prezam pela liberdade na internet celebraram a derrota de iniciativas como ACTA, SOPA e CISPA, as duas primeiras nos Estados Unidos e a terceira na Europa. Muitas manifestações e protestos depois, tudo indicava que a ameaça sinistra de um “Estado policial” na web havia sido vencida. Mas a paz não durou muito tempo. Entre os di...
Continue reading

 

TinCan: app dispensa internet e sinal de celular para enviar mensagens

TinCan Um misto de mensageiro e microblog, ele funciona por meio da rede Wi-Fi, responsável por formar o elo entre dois ou mais aparelhos. O sistema é utilizado unicamente para vincular os celulares, sem necessidade de estabelecer uma conexão com a internet. Agora vamos pensar na questão de privacidade e liberdade que esse aplicativo pode trazer o desenvolvedor Mark Katakowski pensou em uma rede para quem não tem internet ou uma rede, TIN CAN que significa LATA tem na ideia de mark aquela vel...
Continue reading

 

More information

Assine a petição!

 

673 signatures

Diga aos deputados: não censurem nossa Internet

Olá congressista!

O projeto de lei 5.204/16 propõe o bloqueio de acesso a sites "precipuamente dedicados ao crime" hospedados no exterior e sem representação no Brasil, excluindo, expressamente, a possibilidade de bloqueio de aplicativos de troca instantânea de mensagens (sim, o WhatsApp).

Em sua justificativa, anexa ao projeto, argumenta-se que hoje, para se retirar do ar sites criminosos - incluindo aqueles de ponografia infantil e de tráfico de drogas - tem que se expedir uma carta rogatória (documento que pede cumprimento de ordem judicial brasileira no exterior) para o servidor. Por ser demorada, não seria medida adequada de combate a esses crimes, devendo-se, então, bloquear o acesso de brasileiros a tais sites.

Contudo, há um grande problema nessa lógica de combate ao crime: sites que cometem crimes hediondos e torpes, como a pornografia infantil, NÃO estão na internet normal (surface web), e sim na internet não-indexada (deep web). O que isso quer dizer? Que não há como bloquear acesso a esses sites pelas medidas propostas pelo PL. E mesmo que essas trocas de material ilegal na internet esteja sendo feita em território brasileiro, a justiça já tem meios para combatê-las (a operação DarkWeb II da Polícia Federal,  de combate a pornografia infantil online, criminalizada no art. 241-A do Estatuto da Criança e Adolescente, estourou no dia 22/11/2016).

Ou seja, a título de combate a crimes graves, estão dando de um jeitinho de bloquear sites que desatendem aos interesses da indústria fonográfica, punindo a população ao dificultar acesso à informação, cultura e conhecimento.

Ainda que a primeira coisa que venha à mente nessas situações sejam os sites que disponibilizam filmes e séries inteiras para download ilegal, como o MegaFilmesHD e outros sites que já foram fechados, o PL não é nada claro com relação ao que seria considerado um provedor "precipuamente dedicado à pratica de crime", e as violações estabelecidas pela Lei de Direitos Autorais não se limitam ao compartilhamento ilegal de obras protegidas.

Na verdade, está bem longe disso.

A utilização derradeira de determinadas obras protegidas para produção de alguns tipos de obras derivadas –como remix de músicas, fotos para memes e vídeos que utilizam trechos de filmes para desenvolver críticas a eles (O Partido Pirata até já satirizou a #CPICIBER através de um vídeo) – não é permitida pela lei, consistindo em violação ao direito autoral, o que é abrangido pelo PL em questão. A utilização pode ter finalidade lucrativa ou não, o autor da obra derivada pode ser profissional ou amador - não importa, não pode! É possível que esse tipo de utilização bastasse para justificar o bloqueio de determinado provedor de aplicação.

Plataformas que viabilizam o compartilhamento desse tipo de conteúdo em massa e que poderiam eventualmente ser bloqueadas pelo PL são: o Vimeo (plataforma de vídeos); O YouTube (plataforma de vídeo); o SoundCloud (plataforma de músicas); o Flickr (plataforma de fotografia); o MemeGenerator (site que facilita a elaboração de memes) e até mesmo sites dedicados ao compartilhamento de FanFiction –outro tipo de manifestação cultural que é considerada ilegal pela Lei de Direitos Autorais. Nesse sentido, o bloqueio proposto pelo PL 5.204/16 é problemático sob quatro óticas distintas: para os provedores de aplicação, para os autores dos conteúdos, para os usuários e para o interesse público como um todo.

Para os provedores de aplicação, a medida é desproporcional, pois enseja no bloqueio de todos os seus serviços no país, independente de parte dele estar dentro da legalidade ou não. Por exemplo, o SoundCloud, caso bloqueado, o será por completo, apesar de servir também como plataforma para o compartilhamento de obras de forma legal. Já o YouTube poderá ser censurado por disponibilizar vídeos de paródias de músicas, trailers feito por usuários, etc.

Para os autores, o grande problema é a insegurança jurídica gerada pela medida. Como muitas das utilizações não são permitidas pela lei atual, não é possível saber até que ponto elas serão usadas para bloquear o acesso a suas obras. No mais, criadores de conteúdo que produzem obras completamente permitidas pela lei e disponibilizam-nas nessas plataformas serão penalizados por causa daqueles que compartilham obras de forma ilegal. Já para os usuários, a medida é problemática por prejudicar o livre acesso à internet e o acesso às demais obras (legais) hospedadas nessas plataformas –elementos essenciais do direito constitucional de acesso à cultura.

E, por último, para o interesse público, o PL é potencialmente ainda mais perigoso, já que o bloqueio a determinados serviços, com a justificativa de violação ao direito autoral, pode ser utilizado para cercear a liberdade de expressão. O exemplo dos vídeos que utilizam trechos de filmes para criticá-los é ilustrativo, mas grandes produtoras cinematográficas poderão solicitar o bloqueio de sites que hospedem esse tipo de vídeo com o argumento de que seus direitos autorais foram violados.

Este projeto de lei, portanto, se caracteriza como uma medida de combate direto à cultura de compartilhamento, já difundida na nossa geração. O objetivo explicitado no anexo fica em segundo plano, deixando margem para interpretá-lo apenas como um pretexto. Sendo assim, pode-se dizer que não é exagero especular que se trata de uma manobra movida pelo lobby da indústria audiovisual para esconder uma medida conhecidamente impopular.

Assine a petição, entre em contato com seu deputado: lute por uma Internet Livre e contra projetos de censura!

[your signature]

Compartilhe com seus amigos:

Publicações